quarta-feira, 5 de outubro de 2016

Agente é morto em rebelião na Fundação Casa de Marília (SP




Agente foi morto com cabo de vassoura enfiado na garganta, diz polícia.18 menores fugiram durante rebelião em Marília; três foram recapturados.

 Francisco Calixto morreu durante rebelião na Fundação Casa de Marília (Foto: Reprodução/TV TEM)

A rebelião que matou um agente socioeducativo na Fundação Casa de Marília (SP) começou durante um culto religioso que era realizado na unidade. Segundo a polícia, na noite de terça-feira (4) voluntários de uma igreja estavam no prédio da instituição quando os menores se rebelaram e fizeram três deles reféns.

 Também foram reféns outros cinco funcionários do local - um deles foi morto após ser violentamente agredido com um cabo de vassoura.


Durante a rebelião, 18 internos conseguiram fugir e três deles foram recapturados na manhã desta quarta-feira (5).
Dois dos quatro adolescentes que teriam participado da morte do agente Francisco Calixto, de 51 anos, foram identificados e detidos. Eles foram levados à Central de Polícia Judiciária e aguardam a decisão de transferência de unidade.

“Infelizmente um funcionário foi morto com uma brutalidade terrível. As informações iniciais constam que, três menores o seguravam, um teria introduzido um cabo de vassoura em sua garganta, provocando a sua morte”, explica o delegado Valdir Tramontini. O velório do agente está marcado para às 12 horas no Velório Municipal. Outras duas pessoas ficaram feridas e foram encaminhadas para a Santa Casa do município.

A polícia deixou a sede da Fundação Casa durante a madrugada desta quarta-feira e a segurança do local foi retomada por agentes socioeducativos. Na manhã de quarta-feira, Jadir de Borba, corregedor-geral da Fundação Casa de São Paulo esteve na instituição para apurar a rebelião.

Em nota, a Fundação Casa informou que "os jovens envolvidos na fuga que permaneceram no centro e os que forem recapturados passarão por uma Comissão de Avaliação Disciplinar (CAD), que vai determinar as possíveis sanções. O Judiciário e familiares dos jovens serão informados da ocorrência."


“A fuga foi justamente no momento em que eles dominaram os funcionários e também um grupo religioso que fazia um trabalho dentro do estabelecimento. Neste momento eles acabaram pulando os muros e não havia a presença da polícia aqui”, diz o policial militar Marcelo Martins.

 Polícia Militar foi acionada para atender a ocorrência (Foto: Reprodução/TV TEM)

"A Fundação CASA lamenta profundamente a morte de um agente socioeducativo na noite desta terça-feira (4 de outubro) no CASA Marília. A instituição irá prestar total apoio e solidariedade à família do servidor.

A Corregedoria Geral da Fundação CASA vai instaurar sindicância para apurar as circunstâncias em que ocorreram a morte do agente socioeducativo e a fuga de 18 adolescentes do local.

A Polícia Civil também vai investigar a morte do servidor. A Polícia Militar foi acionada e faz buscas na região. Até o momento, nenhum dos jovens foi recapturado.

Durante a fuga, cinco funcionários e outras três pessoas, membros de uma igreja parceira da instituição, foram feitos reféns. Desses, dois servidores sofreram ferimentos leves.

Os jovens envolvidos na fuga que permaneceram no centro e os que forem recapturados passarão por uma Comissão de Avaliação Disciplinar (CAD), que vai determinar as
possíveis sanções. O Judiciário e os familiares dos jovens serão informados da ocorrência
"




 http://g1.globo.com/sp/bauru-marilia/noticia/2016/10/rebeliao-que-matou-agente-na-fundacao-casa-comecou-em-culto.html


Outro funcionário é morto dentro da Fundação CASA e Governo novamente se esquiva de suas obrigações 

 

Na noite desta terça-feira 04/10, o que se pensava ser um plantão igual a outro qualquer, com quadro reduzido de funcionário, falta de segurança e politicas publicas, entre tantos outros descalabros que existem dentro da Fundação CASA, desta vez em Marília, os adolescentes iniciaram uma rebelião que culminou na morte de um funcionário, que foi dominado por quatro internos e teve o pescoço transfixado por um cabo de vassoura por quatro adolescentes, de 17 anos.

Os quatro responsáveis pelo crime já foram identificados!!! Agora me responde senhor Governador de um dos maiores estados do Mundo, como uma ação dessas ocorreu?
A culpa é do funcionário que para receber seu suado salário precisa diariamente passar por risco de vida? Ou é do Governo que não tem uma política pública adequada para atender esses adolescentes?
Ou pior ainda como atender a socioeducação se não há funcionários suficientes? Cadê os concursos públicos? Até quando os trabalhadores terão que trabalhar com risco iminente de morte? Até quando esses funcionários estarão com a faca no pescoço?

Até quando senhor Governador de São Paulo essas famílias terão que enterrar os corpos de seus entes mais queridos. Sim, para o Senhor eles são números, mas para nós que temos sangue no corpo e alguém que nos espera diariamente, eles são vítimas desse governo inescrupuloso e que não tem o olhar para o trabalhador.
Hoje, vemos a morte de mais um colega de trabalho e quantos mais teremos que ver senhor governador?
O SITSESP/SITRAEMFA lamenta a morte deste companheiro de trabalho e de mais tantos outros que se feriram nesta e em tantas outras rebeliões, mas não nos esquivaremos à luta. E já estamos nos  mobilizando para fazermos grande ato público contra a falta de segurança e pelo descaso do governo do Estado.

 http://sitsesp.org.br/index.php/en/justica-e-cidadania/137-outro-funcionario-e-morto-dentro-da-fundacao-casa-e-governo-novamente-se-esquiva-de-suas-obrigacoes









3 comentários:

  1. Meus sentimentos a Família e os colegas de trabalho,Senhor tenha Misericórdia deste local que se tornou podre por caso do sistema e quem comanda este "CIRCO" fico triste de ouvir a corregedoria vai apurar os fatos tenho nojo de ouvir mais uma vez """ CAD""" PALHAÇADA. queria ver se fosse seu filho o que você faria.
    Alguém te que fazer alguma coisa " URGENTE" para não morrer mais nenhum servidor ou mesmo ADOLESCENTE.
    Ai vem em janeiro ou fevereiro reunir em aguas de LINDOIA e descutir o PPP AI APRESENTAR O PPP, para com essa palhaçada e vai para o pátio ajudar os CENTROS.
    Senhor GOVERNADOR ACABA COM ESSE PICADEIRO terceiriza esta falida entidade e aproveita os ÓTIMOS SERVIDORES QUE LÁ EXISTE.
    Chega conversa para BOI dormir.

    ResponderExcluir
  2. Cristiano Cavalcante7 de outubro de 2016 18:33

    Acho que já passou da hora do sindicato mobilizar toda a categoria e entrar com uma ação judicial coletiva pedindo periculosidade para os agentes de apoio socioeducativo. Quantos mais precisaram perder suas vidas para abrir os olhos do nosso infeliz governo. Deus abençõe a família do nosso parceiro!!!

    ResponderExcluir
  3. Se depender do sindicato vocês tão f... !

    Estive em Brasília e lá não vi o representante sindical de vocês defender o direito ao porte de arma pros agentes e tampouco reivindicar periculosidade; senão defender mais direitos humanos pras "CRIANÇAS" e fazer campanha contra o governo alckimin.

    ResponderExcluir